She's Tech Conference 2018 reuniu mulheres que buscam mais espaço em um mercado predominantemente masculino: o da tecnologia e da inovação

“"Inspirar, engajar e capacitar mulheres a buscarem conhecimento e empreenderem em carreiras e em negócios com base tecnológica"”

Em pleno século XXI, as mulheres ainda amargam dois tristes cenários: a diferença salarial em relação aos homens, mesmo quando exercem a mesma função, e a falta de representatividade no mercado da tecnologia e da inovação. Um estudo do Fórum Econômico Mundial, por exemplo, mostra que essa equiparação feminina só acontecerá em 2095. Para ampliar a presença feminina nos ambientes tecnológicos, principalmente pelo mercado contar com apenas 8% de mulheres, segundo a Female Founders Fund, Ciranda de Morais criou o movimento She's Tech, que teve como desdobramento a She's Tech Conference. 

Criado pela publicitária mineira Ciranda de Morais, a She’s Tech Conference 2018 reuniu entre os dias 22 e 24 de novembro, no Museu das Minas e do Metal e no Instituto Izabela Hendrix, ambos em Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais, mais de 120 palestrantes mulheres. Ao todo, 450 pessoas participaram das mais de 70 atividades. A presença da patrona e homenageada Yvonne Cagle, que é coronel das forças armadas americanas, médica, cientista, astronauta da NASA e mãe, foi um dos grandes momentos do evento. Afinal, ela é uma das principais inspirações para as mulheres que sonham em ocupar o universo da tecnologia e da inovação.

Ciranda, que deu início a série de palestras, no Izabela Hendrix, contou sobre o surgimento do movimento She’s Tech e sobre a importância da mulher no ambiente tecnológico e de inovação. Ela ressaltou, por exemplo, que a proposta de todas as ações é ampliar a atuação das mulheres em um mercado praticamente dominado pelos homens e construir um novo cenário. “A She’s Tech não é rosa”, disse ela, sobre o estereótipo presente na cor, na qual a mulher é vista como frágil.

Ainda na sexta-feira, a She’s Tech Conference contou com a palestra de Yvonne Cagle, que foi ovacionada pelo público. Além de discorrer sobre sua experiência na NASA, a doutora encorajou as mulheres a ocuparem os lugares que tanto almejam. “Em inglês, a palavra ‘impossible’ significa impossível. Mas, se vocês separá-la, verá que o ‘i’ significa ‘eu’; o ‘m’ quer dizer sou; e o ‘possible’ traduzido quer dizer possível. Ou seja, ‘eu sou possível’”, explicou ela, diante de um auditório lotado. O evento contou ainda com Camila Acchuti (Mastertech), Marina Limeira (Nubank), Nina Silva (Movimento BlackMoney), Sofia Fada (Kriativar), Priscila Gama (Malalai), entre outras mulheres de destaque.

Nesta segunda edição, assim como na primeira, a She’s Tech Conference 2018 contou com a dedicação de voluntárias. Ao todo, 32 pessoas trabalharam pela causa, que ofereceu cerca de 80 horas de conteúdo teórico e prático. A realização do evento também foi possível graças aos patrocinadores BS2 Pool e ZUP Innovation, além do apoio de 14 entidades. “Foram noites sem dormir, muita coragem e um sonho grande, que é o de fortalecer a presença das mulheres na tecnologia. Obrigado a todos e todas que fizeram parte”, finalizou Ciranda.

O que é a She’s Tech? Fundado por Ciranda de Morais, o movimento She’s Tech foi criado em 2016 e trabalha em três pilares: “inspirar, engajar e capacitar mulheres a buscarem conhecimento e empreenderem em carreiras e em negócios com base tecnológica”. Em dois anos, já impactou mais de 100 mil pessoas e ofereceu mais de 185 horas de conteúdo. Atualmente, o She’s Tech é referência em todo o país e o maior movimento nesse segmento.



Website: https://shestech.org/