Gartner diz que ContinuousNEXT é a fórmula para obter sucesso na Transformação Digital

A fórmula para obter sucesso em um mundo em constante transformação é implementar uma abordagem ContinuousNEXT. De acordo com o Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, ContinuousNEXT é a evolução dos conceitos que o Gartner introduziu nos últimos anos e que se fortalecerão por meio da Transformação Digital.

Os cinco requisitos para CIOs implementarem uma estratégia ContinuousNEXT são: Privacidade; Inteligência aumentada; Cultura; Gerenciamento de Produto e Digital Twin.

Valentin Sribar, Vice-Presidente Sênior do Gartner, explicou para mais de mil líderes de TI durante o Gartner Symposium/ITxpo São Paulo, que é hora de as organizações estarem mais abertas as mudanças. Segundo ele, os líderes precisam trazer novas práticas, competências e meios para obter sucesso - a abordagem ContinuousNEXT.

"A transição para o digital é inegável e está em ritmo acelerado. Esses novos modelos redefinem a maneira como as organizações criam, entregam e capturam valor. Desafiam a forma como CIOs atuam e fomentam novas práticas para TI", diz Sribar.

"Quase dois terços dos CEOs e CFOs antecipam a mudança do modelo de negócio por conta da Transformação Digital, com os investidores encorajando e recompensando as organizações que envolvam os produtos e serviços com competências digitais", afirma Sribar. "Eles desejam saber o que é feito com as informações por meio de Analytics e inteligência artificial. Os líderes aplicam tecnologias e informação de maneira única e criativa para superar seus colegas. Nesse cenário, entra a abordagem ContinuousNEXT".

Dinamismo - Em um ambiente que se desenvolve em meio a contínuas mudanças, o Gartner tem identificado que o maior indicador de sucesso é o dinamismo organizacional. Mais do que apenas ser conduzido pelos negócios, o principal fator de sucesso é o dinamismo. Trata-se da habilidade de abraçar a mudança e adotar tecnologias de um novo jeito. "A forma como você adota tecnologia importa, e o dinamismo é um fator crítico", diz Sribar.

Privacidade - Se os CIOs não gerenciarem as questões de privacidade, o processo de Transformação Digital estará em risco, ainda mais devido às recentes violações de segurança, que criaram um crescente ceticismo dos consumidores em relação a esse tema. Pela primeira vez, um grupo considerável de clientes e colaboradores não estão dispostos a abrir mão de segurança em troca de conveniência. "Um CIO tem a responsabilidade de manter a proteção dos dados de consumidores, cidadãos e colaboradores", afirma Sribar. "Isso geralmente significa propor um programa de gerenciamento de privacidade, que garanta o controle dos dados. Essa é uma questão que deve ser tratada no nível da diretoria, mas apenas metade das organizações possuem controles adequados".

Inteligência aumentada - Inteligência aumentada é o passo além da Inteligência Artificial. Por exemplo, há uma crescente opinião de que sistemas de Inteligência Artificial vão modificar a força de trabalho, mas o Gartner não enxerga isso como algo prejudicial aos trabalhadores. "Colocar os profissionais lado a lado com sistemas de Inteligência Artificial permite que o trabalho individual seja mais impactante", diz Sribar. "Companhias que adotam Inteligência Artificial fazem com que seus colaboradores mantenham seus empregos de uma forma nova, tornando esses cargos mais significantes e gratificantes".

Cultura - As organizações devem ter uma cultura dinâmica para viabilizar o ContinuousNEXT. No entanto, 46% dos CIOs apontam a cultura interna como a maior barreira para avançar essa digitalização. Analistas do Gartner dizem que a mudança de cultura nem sempre precisa ser grande e difícil. "Invada sua cultura para mudá-la", diz Alvaro Mello, Diretor Vice-Presidente do Gartner. "Ao hackear a cultura, não temos a intenção de encontrar brechas para invadir o sistema. ‘Hacking’ significa identificar e realizar ações menores que normalmente são negligenciadas". Segundo Mello, por exemplo, muitos CIOs gastam até 70% de seu tempo em reuniões ou enviando e-mails. Eles podem obter tempo livre substituindo esses eventos por briefings ou atualizações por escrito. Os líderes estão mudando o esquema de tomada de decisões para que outros possam agir. O Gartner indica que os CIOs deveriam deixar os autores de "grandes ideias" se tornarem o CEO delas.

Digital Product Management - O gerenciamento de produtos digitais é um requisito fundamental do ContinuousNEXT e acelerar sua adoção significa a única forma para que os CIOs possam alcançar outros players do mercado. A pesquisa Gartner 2019 CIO Agenda mostra que os funcionários com melhor desempenho têm duas vezes mais probabilidade de fazerem entregas centradas em produtos. "O Digital Product Management não é apenas uma maneira diferente de fazer TI. É um jeito diferente de fazer negócios", afirma Donald Feinberg, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. "Hoje, as companhias mais poderosas mesclam tecnologias digitais aos produtos para criar uma nova prática de gerenciamento. Por exemplo, ninguém pergunta mais para a Amazon se ela é uma varejista ou uma companhia de tecnologia. A tecnologia digital e inovação de produtos estão se tornando indivisíveis em todas as indústrias". Feinberg afirma que gerentes de produto terão de aplicar Design Thinking e metodologias ágeis para moldar as experiências dos usuários. "É por isso que o Digital Product Management ultrapassa o gerenciamento de projetos de TI".

Digital Twins - Digital Twins são geralmente usados para gerenciar objetos físicos por meio de sensores e modelagem de computador. Esse é um modelo que está evoluindo e ficando cada vez mais robusto. Cindi Howson, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner, afirmou no Gartner Symposium/ITxpo 2018, que os CIOs poderiam criar Digital Twins para cada organização, o que o Gartner chama de DTO, que os ajudariam a acompanhar virtualmente as pessoas e os processos de trabalho dentro das organizações. "Em um DTO, você começa com pessoas reais e máquinas trabalhando juntas para gerar inteligência contínua sobre o que está acontecendo. Isso permite que os CIOs modelem diferentes cenários, tornando-os depois reais no mundo físico", afirma.