Custo da logística no Brasil representa 12,7% do PIB e reduz competitividade da economia

“"Desenhamos um sistema que acompanha cada cartão da solicitação até a entrega, dando transparência ao processo", diz Carlos Eduardo Cerqueira, da Stone Age.”

O custo da logística no Brasil representa 12,7% do Produto Interno Bruto (PIB), incluindo transporte, armazenagem estoque e serviços administrativos, de acordo com estudo do Ilos - Instituto de Logística e Supply Chain de 2016. Esse percentual elevado impacta a competitividade do mercado brasileiro - para comparar, nos Estados Unidos, esse percentual é de 7,8% do PIB. No mesmo ano, o relatório de logística do Banco Mundial classificou o Brasil em 55º lugar entre 160 países avaliados. Além de ser um processo custoso, as dimensões continentais e a infraestrutura precária do país tornam difícil seu monitoramento.

Para driblar estes empecilhos e proporcionar mais transparência à logística de entregas em todo o Brasil, a Stone Age, empresa 100% nacional com mais de 30 anos de atuação desenvolvendo tecnologia de ponta, criou um sistema de rastreio voltado para cartões de crédito que acompanha cada unidade desde sua solicitação até chegar ao endereço do cliente. Por ter características específicas, principalmente em relação à segurança, a entrega dos plásticos tem diversas etapas e requer alta precisão de dados.

Os principais desafios deste case, realizado para uma instituição financeira, era saber exatamente onde estava cada unidade durante todo o trajeto e, consequentemente, reduzir as falhas de entrega. A meta era reduzir estas falhas em 12%, o que impacta diretamente no custo de reemissão de cartões. “Seja por perda, extravio ou simplesmente um atraso na entrega, se o cliente final comunicava que não havia recebido o cartão, era preciso reemiti-lo, o que gerava um alto custo e retrabalho. Ainda que o usuário recebesse o primeiro cartão no dia seguinte, ele já estaria cancelado por segurança”, explica Carlos Eduardo Cerqueira, Gerente de Projetos da Stone Age (www.stoneage.com.br).

Para atender a estes objetivos, a Stone Age criou um sistema que integra todas as empresas envolvidas na operação: a embossadora, que fabrica os plásticos, as transportadoras e correio, que distribuem os cartões por todo o país. Assim, além de saber o prazo máximo de cada etapa, a instituição financeira agora consegue acompanhar o andamento de todo o processo em tempo real. 

“Desenhamos um sistema que consegue gerar uma linha do tempo de cada cartão, mostrando quando foi solicitado, produzido, despachado e enviado, incluindo todas as tentativas de entrega. Ao longo desse processo, geramos mensagens de SMS ao cliente final para que ele também fique ciente em que ponto seu cartão está. Uma das mensagens confirma o endereço, para reduzir ainda mais o risco de falha na entrega”, detalha Carlos Eduardo. O sistema criado pela Stone Age tem dashboard intuitivo, com gráficos e comparativos que facilitam a análise dos dados, contribuindo com decisões estratégicas de gestão.



Website: http://www.stoneage.com.br