Mercado de R$ 250 bilhões, Transformação Digital passa pelo fator emocional

A Transformação Digital, tendência global que determina esforços de digitalização e automatização dos negócios de empresas de todos os setores, deverá movimentar cerca de R$ 250 bilhões até 2021 somente no Brasil, representando em torno de 7% do PIB nacional, conforme estudo da Brasscom.

A mesma pesquisa mostra que esta transformação já é realidade para 63% das companhias do país, enquanto um levantamento da Capgemini indica que tecnologias para melhorar a integração entre empresas e clientes, tanto internos (colaboradores) quanto externos (consumidores), chega a 53% das organizações brasileiras.

Para que a tendência avance ainda mais, a alavanca deverá vir não da tecnologia, nem das companhias, mas das pessoas - mais especificamente, de suas emoções. A constatação é do especialista Marcelo Prauchner, estrategista na área de TI, Marketing Digital, Colaboração Humana e Economia Colaborativa.

Para ele, o fator emocional é uma das ferramentas mais presentes no âmbito corporativo, e uma das maiores responsáveis pelo sucesso ou fracasso de projetos e empresas. Desta forma, é também um combustível da Transformação Digital, abrangendo pontos como inteligência emocional, comunicação e capacidade de adaptação e colaboração para garantir mudanças organizacionais sempre que preciso e com a agilidade necessária.

"Hoje, se quisermos produzir e nos comunicar com os outros, é importante conectar com as emoções, entender o impacto que as transformações causam nas pessoas. Entender essas nuances dentro de uma organização é chave para promover a Transformação", afirmou Prauchner durante o Mesas TI, evento realizado pelo SEPRORGS na sede da ADVB-RS, em Porto Alegre-RS.

De acordo com o presidente do SEPRORGS, Diogo Rossato, a Transformação Digital "vai muito além da adoção de tecnologias", tendo na base de sua expansão a integração de uma cultura de mudança. "Este é o desafio dos gestores: levar adiante este trabalho de conscientização", destaca Rossato.

Já Donald Reis, vice-presidente e diretor de Marketing do SEPRORGS, toda disrupção ativada pela tecnologia até hoje partiu de pequenas revoluções junto aos usuários, que foram engajados emocionalmente e perceberam o valor destas inovações.

"Do transporte, com o Uber, ao entretenimento, com o Netflix, as pessoas mudaram seus hábitos através de novos modelos tecnológicos, simples de usar e cujos benefícios são fáceis de reconhecer. Nas empresas, será preciso engajar os profissionais da mesma forma para que as transformações ocorram efetivamente, e para isso, até mesmo estudar a neurociência pode nos dar boas respostas", afirma o VP.

O Mesas TI foi uma realização do SEPRORGS, com patrocínio Gold da DBC Company e 2Cloud Tecnologia. Patrocínio Silver: Dinamize, RCA Digital e Sindilojas Porto Alegre. Patrocínio Bronze: Algar Telecom, Consulpaz CGP Associates, Dynamica Consultoria, Gruppen, Inteligência de Negócios, Positivo e TDec Network Group. Apoio: ADVB/RS, Postmetria e Hotéis Deville.