US$ 57 bilhões até 2020, US$ 2 trilhões até 2021: os números da Transformação Digital e Empresarial

A tecnologia não é o fim, mas o meio, para que a efetiva transformação seja alcançada não apenas no ambiente digital ou de TI, mas sim no âmbito de negócios, impactando desde a infraestrutura, processos, operações e pessoas até os clientes das empresas, trazendo resultados reais em ganho de competitividade.

A avaliação, do especialista em Transformação de Negócios (TN), Esdras Moreira, vai em linha com estudos globais: de acordo com a IDC, só na América Latina os investimentos na Transformação Digital e Empresarial tendem a somar US$ 57 bilhões até 2020, saltando para algo em torno de US$ 2 trilhões em 2021.

A consultoria projeta que, em dois anos, a Transformação Digital (TD), aliada à Transformação de Negócios (TN), gerará ao menos 450 mil novos postos de trabalho na América Latina. Já um estudo da IFS World feito em 16 países indica que cerca de 90% das organizações têm planos de aumento de investimentos em TD e TN nos próximos anos.

Moreira, que é CEO da Introduce, aponta que, neste cenário de movimentos e aportes, a TN precisa vir antes, ou em paralelo, a TD.

"TD é automação, automatização, digitalização, melhoria de processos por meio da tecnologia, e é importante, sim. Mas, sozinha, não se sustenta. Ou melhor: não sustenta uma estratégia de negócios bem-sucedida. TN é cultura, inovação aplicada, máquinas, sistemas, processos e pessoas funcionando sob um alinhamento guiado pela estratégia, pela gestão azeitada e pelo foco no ganho de toda a organização", avalia o CEO.

Segundo ele, ao passo que TD passa por adaptar os negócios à nova economia e cultura digital, TN passa por entender e planejar a atuação para alcançar esta adaptação, mantendo o que precisa ser mantido, evoluindo o que for necessário para galgar mais produtividade, mais crescimento, mais poder de competição frente a um mercado acirrado.

Assim, por meio deste alinhamento deverão ser desenhadas estratégias que apliquem a TD à melhoria dos negócios, passando por todos os seus níveis: base de maquinário e tecnologias, organização de processos, definição de operações e unidades, distribuição, tratamento e atuação de recursos (incluindo recursos humanos), prestação de serviços, lida de produtos, vendas, custos etc.

Na análise de Moreira, duas vertentes são estipuladas:

1. TD é utilizar a tecnologia para digitalizar um processo fabril, operacional, gerencial, comercial, garantindo inovação, digitalização.

2. TN é usar tais tecnologias para não apenas aderir à cultura digital, mas para orquestrar um novo modelo de negócio, que enraíze a digitalização em meio a outros quesitos-chave para o andamento da empresa, garantindo redução de custos onde for possível e necessário, resolução de gargalos em áreas primordiais, ampliação do controle sobre a produção e operações, aumento da mobilidade e do alcance às vendas e à logística, ampliação da redundância e contingência para estabilidade de sistemas, manutenção de backup para ter disponibilidade de dados, expansão da segurança da informação e das operações, aumento da performance, geração de crescimento sem perda de controle, eficácia ou qualidade.

"O importante aqui não é entender que TD é menos importante do que TN. Isso não é verdade. O que é, sim, realidade, é que a TN engloba a TD e pensa além, num universo macro de negócios que visa a engrandecer todas as estratégias - a de TI, a de produção, a de gestão, a de vendas e todas as demais que possam compor o leque da organização", afirma o especialista. "Transformação de Negócios utiliza a tecnologia como meio para alcançar a adequação à cultura e economia digital de forma sustentável para o negócio e para seus mercados, de forma competitiva, de forma a gerar crescimento perene, contínuo e seguro", complementa.

De acordo com o CEO, a tecnologia como fim busca uma inovação que, muitas vezes, pode resultar incompleta, sem eco nos reais objetivos ou mecanismos de sustentação do negócio. Já a tecnologia como meio dá base para alcançar os fins projetados pela gestão, e esta gestão "participa do desenvolvimento de todo o plano, aplicação e utilização da TI a favor do alcance de seus resultados".