Tecnologias ajudam lojistas a otimizarem as vendas no fim do ano

O fim do ano é o ponto alto do comércio e do varejo. Impulsionados por datas como Natal e Black Friday, os lojistas e varejistas se planejam desde cedo para esta época. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), para esse ano é esperada uma movimentação de R$ 34,5 bilhões na economia durante o mês de dezembro, um acréscimo de 2,8% em relação ao mesmo período de 2017. A previsão de contratações para esta época no setor é de 76,5 mil vagas.

O aumento repentino da procura, pode gerar um desafio para os lojistas que precisam adequar diferentes áreas e ações para comportar a demanda. Neste sentido, algumas tecnologias podem ajudar lojistas, varejistas e até mesmo a indústria a otimizarem seus processos e impulsionarem ainda mais a venda no último mês do ano.

Confira algumas destas inovações para as principais etapas de efetivação da venda:

Organização — Não é apenas no comércio de vendas rápidas, como as lojas de roupas e calçados, que o movimento aumenta no fim do ano. Agências de turismo e outros estabelecimentos que realizam vendas consultivas - efetivadas apenas depois de vários contatos com o cliente - também são beneficiados. Como as vendas consultivas costumam ser longas, seus resultados na época das festas são melhores nas empresas que iniciam cedo as campanhas. Em dezembro, o mais importante é resgatar o contato com clientes que já tenham sido abordados previamente, mas que, por alguma razão, não fecharam a compra.

Nesse tipo de negociação, a organização do cadastro de clientes é fundamental. O Agendor, plataforma de aprimoramento comercial e CRM (gestão de relacionamento com clientes), ajuda as empresas nessa tarefa. Lançado em 2012, o sistema permite aos vendedores retomar negociações não fechadas anteriormente pela perda de prazos para efetivá-las nesse período. Um dos diferenciais do Agendor é o fluxo inteligente de atividades: quando uma tarefa é finalizada, o sistema reconhece o que foi feito e sugere ações que estimulam o avanço da negociação. Isso simula os pequenos alinhamentos sugeridos pelos gestores comerciais a seus vendedores, proporcionando agilidade e autonomia no processo de vendas.

Atração — Entre ofertas e variedades de produtos, é importante que o lojista mantenha o estabelecimento organizado e com uma estrutura que comporte o volume da procura. Este trabalho é feito pelos promotores de venda das marcas por meio do Trade Marketing. Tecnologias, como o software Agile Promoter, que ajudam os promotores a garantirem excelência nos pontos de venda (PDV), impedem a ruptura e garantem a eficácia da exposição. Por meio do software, é possível identificar padrões de cada PDV e verificar um check list de execução, garantindo a melhor experiência do comprador.

Otimize sua operação — Com o aumento do fluxo de vendas você pode precisar contratar mais pessoas e delegar mais tarefas. Para se sentir seguro enquanto sua equipe cresce, é necessário estar organizado e saber como automatizar a gestão do seu negócio. A Hiper, startup que desenvolve software de gestão e vendas para o pequeno e microempreendedor varejista, oferece soluções que facilitam e proporcionam segurança para o empresário. Através do Hiper gestão é possível controlar desde o estoque até a frente de caixa, passando pelas vendas externas do negócio. Um monitoramento claro do que está entrando e saindo da sua loja para facilitar a tomada de decisão e proporcionar segurança para o empreendedor.

Finalização — A hora de finalizar a compra é a mais importante. Mesmo com tudo dentro do carrinho, o consumidor pode desistir da compra caso encontre problemas quando for pagar. Entre filas, sistemas sobrecarregados e erros de preço, um impasse frequente neste processo é a forma de pagamento. Muitos estabelecimentos limitam os meios de pagamento ou ficam sem sinal, o que prejudica a finalização da compra. Inovando no processo de pagamento, a Faced, em parceria com a Cheesecake Labs, lançou no mercado uma forma de efetuar transações monetárias com um sorriso. Por meio do reconhecimento facial, previamente cadastrado no aplicativo e vinculado ao cartão de crédito do consumidor, é possível efetuar a compra sem nenhum meio tradicional físico, como dinheiro ou cartão.

Quando a venda é feita por meio de boletos bancários, após o processo de finalização da compra ainda é preciso esperar que quem consumiu o produto ou serviço efetue o pagamento. A cobrança dos inadimplentes leva, em média, uma hora por dia com o volume de vendas regular, podendo aumentar em períodos como o fim do ano. Para otimizar este processo, existem tecnologias, como o software Asaas, que fazem de forma programada a cobrança de quem está devendo, diminuindo o tempo para cinco minutos diários. Além disso, é possível por meio dele gerir todas as pendências e emitir segunda via de boletos.



Website: http://cnc.org.br/