Supermercados: 3 problemas enfrentados pelos consumidores que podem ser resolvidos pela tecnologia

Fazer compras de supermercado pelo celular sem sair de casa ou entrar em um supermercado, comprar e sair com as sacolas cheias sem precisar enfrentar nenhuma fila. Isso já é realidade graças a tecnologias e aplicativos que surgem para impulsionar as vendas e ajudar varejistas a conquistarem uma fatia cada vez maior em um mercado tão competitivo.

Segundo um levantamento feito pela ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados), em agosto deste ano, as vendas do setor supermercadista em valores reais - deflacionadas pelo IPCA/IBGE -, apresentaram alta de 3,64% em relação ao mesmo mês do ano passado. No acumulado de 2018, as vendas apresentaram crescimento de 1,99%, na comparação com o mesmo período em 2017.

A Tyco Retail Solutions, empresa líder em soluções de prevenção de perdas, acurácia de estoques e análise de fluxo de clientes alerta que, para continuar crescendo, os supermercadistas precisarão investir ainda mais em tecnologias e inovação de processos. “É preciso adotar novas técnicas de gestão para garantir uma melhor experiência de compra ao consumidor”, destaca Sérgio Thomé, diretor de Vendas da empresa. “Com base nas queixas recorrentes dos clientes, é possível identificar a necessidade da adoção de tecnologias”, afirma o executivo.

A Tyco listou as principais reclamações feitas por consumidores e identificou como as soluções tecnológicas - que são tendências para o varejo - podem melhorar a experiência de compra do cliente.

1) Produto não disponível
Falta de produtos em gôndolas é uma constante reclamação de clientes, pois impacta diretamente em sua experiência de compra. Para monitorar a disponibilidade dos produtos, os varejistas podem aplicar tecnologias que detectam se uma gôndola está vazia, por exemplo. Para produtos que ocupam grandes espaços em prateleiras, é possível utilizar sistemas de CFTV que analisam alterações nas imagens e detectam se um objeto foi removido de sua posição original – como o Video Analytics. Para produtos menores recomenda-se a utilização de prateleiras com pushers, que detectam a remoção desses produtos e indicam, de forma automática, a necessidade de reposição.

2) Filas nos caixas
De acordo com uma pesquisa realizada pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP), para 90% dos varejistas, as filas para atender aos clientes dificultam as vendas e, para 78% dos pesquisados, a espera pode levar o consumidor a desistir da aquisição. Segundo a Tyco, a solução de self checkout está no mercado para resolver esse problema. “Sem nenhuma interação humana, o cliente efetua todo o procedimento de caixa de forma rápida e prática, desde o registro da compra até a emissão da nota fiscal e o comprovante de pagamento”, explica Thomé. Para o monitoramento das filas é possível, também, utilizar sistemas de CFTV que identificam o tamanho de cada uma delas e geram alertas automáticos para que novos caixas sejam abertos.

3) Disposição das mercadorias
É comum confinar produtos com preços elevados em gôndolas envolvidas com vidro e trancadas com cadeado. A medida, que tem como objetivo evitar furtos, acaba por comprometer as vendas. As tecnologias de prevenção de perdas - como etiquetas, circuito de câmeras (CFTV) e cadeados eletrônicos -, entram em cena para evitar que a disposição dos produtos e a taxa de conversão sejam afetadas. Segundo o executivo, com os produtos expostos e devidamente protegidos com etiquetas antifurto, é possível aumentar as vendas em até 30% e diminuir as perdas em 90%.

Para Thomé, explorar o ponto de venda com o objetivo de entender e descobrir as necessidades dos consumidores é papel de todo varejista. “Investir em tecnologia é o diferencial que faz com que o estabelecimento garanta uma melhor experiência de compra e, consequentemente, uma melhor taxa de conversão”, finaliza.